quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

DISCURSO PARA A FORMATURA DA TURMA DO ANO DE 2010 DE PEDAGOGIA

DISCURSO PARA A FORMATURA DA TURMA DO ANO DE 2010 DE PEDAGOGIA

É com muita alegria que hoje aqui falo em nome de todos os formandos.
Longa foi a caminhada, muitos os desafios, alguns obstáculos.
Muitas vezes o cansaço e a dúvida batia à nossa porta, será que eu desisto ou será que persevero?
Ainda bem que escolhemos perseverar! Como é bom o gostinho da vitória, da conquista, do alcance da meta traçada em nossas vidas. Não é mesmo?!
Muitos são os motivos para estarmos aqui hoje. Cada um sabe o seu motivo em
particular.
Mas, quero acreditar que o motivo maior está em nome da educação. Falo de educação de uma forma ampla. Falo da vontade e do sonho de querer viver em um mundo melhor. De querer abraçar a causa da justiça e da igualdade social. Vivemos hoje mudanças complexas em nossa sociedade. E muitos são os desafios que encontramos na dita sociedade da informação. Alguns desafios negativos como a inversão de valores, a corrupção e a perda da ética, a globalização e o aumento considerável da exclusão e das desigualdades sociais. Mas, também encontramos nessa mesma sociedade novas
propostas, muitas delas desafiadoras como quebras de paradigmas nas mais diversas áreas, inclusive na área da educação.
Segundo Paulo Freire, temos que aceitar o desafio de educar cidadãos críticosreflexivos. Mas, não de educá-los com o coração duro, mas sim educá-los com alma.
Educá-los para o amor.
Assim, nasce a semente da tão sonhada e almejada transformação social. Para Freire, “se o sonho morreu e a utopia também, a prática educativa nada mais tem a ver com a denúncia da realidade malvada e o anúncio da realidade menos feia, mais humana”.
A sua crítica é em relação à educação formal alienante, pois a grande jogada é essa, desacreditar a educação, para que desacreditando a educação, as metas de vida sejam também desacreditadas, e o povo humilde deixe de sonhar em algo melhor.
Como desafio daqui para frente, acredito que devemos ser humanistas otimistas e não podemos perder esse espírito e nem a vontade de querer transformar um mundo injusto. Não podemos mais permitir o sofrimento de muitas crianças, de muitos jovens, de muitas famílias.
Não sei se todos aqui presentes serão professores, pois podemos atuar em muitos segmentos da sociedade. Mas, a partir de hoje, abraçamos uma missão, mais que uma qualificação profissional, abraçamos a causa da vida, do amor.
Obrigada!
LEANDRA DE SOUZA BARBOSA CONTIN
PEDAGOGIA PELO CENTRO UNIVERSITÁRIO CLARETIANO

2 comentários:

Ivan disse...

Leandra, pelo pouco que a conheço, mas muito elogiada nos trabalhos desenvolvidos no campo social com os jovens onde trabalhei ano passado (Escola Salesiana São José)traz em seu discurso a sua experiência. Parabéns!
Ivan

Maria Amelia disse...

Você foi o orgulho da nossa turma!!!!!!!